João Pessoa, 17 de Novembro de 2017

13 de Setembro de 2017

Sobreviventes do Irma chegam ao DF

Sobreviventes do Irma chegam ao DF

 Sobreviventes do furacão Irma que estavam na ilha caribenha de San Martin chegaram na madrugada desta quarta-feira (13) em Brasília, a bordo de um avião da Força Aérea Brasileira (FAB). Ele pousou a 1h30, com 14 pessoas a bordo, sendo 8 brasileiros.

O avião da FAB deixou o Brasil na segunda (11), fez escala em Nova York e chegou na terça de tarde a San Martin – território francês e holandês, onde pelo menos oito morreram com a passagem do furacão.

No começo da noite, o avião partiu da ilha com os brasileiros e os seis estrangeiros. Ele fez escala em Trinidad e Tobago para abastecer. Perto das 21h, decolou rumo à capital federal.

Segundo as autoridades, ainda existem brasileiros presos nas ilhas Tortola e Turcas e Caicos, que fazem parte das Ilhas Virgens Britânicas. O Itamaraty informou que está em contato com o governo do Reio Unido para planejar a retirada dos brasileiros nesses territórios. Fora os oito brasileiros, estavam também a bordo dois venezuelanos. Segundo o Itamaraty, eles vieram por causa do acordo de assistência consular do Mercosul. O restante é de estrangeiros casados com brasileiros.

Os sobreviventes saíram da Base Aérea em vans do Itamaraty. Quatro seguiram direto para o Aeroporto de Brasília. Outros dez passaram a noite no hotel de trânsito do Grupamento da Guarda Presidencial.

Relatos Quem sobreviveu e conseguiu chegar à terra natal sente um alívio difícil de descrever. Uma das resgatadas, Valéria Williams, disse que mora do lado holandês e estava sozinha com a filha quando o Irma passou. A casa dela foi uma das poucas que ficou em pé.

"Como brasileira, a gente não sabe o que esperar. Mas quando acontece, treme a casa até. E eu moro em uma casa de concreto superforte. Na verdade, não aconteceu nada, mas o barulho a gente vê as coisas caindo pela janela. Mas a iniciativa comunitária também foi muito rápida, a gente vê as pessoas montando o telhado novamente rápido."

O chef de cozinha Ricardo Passareli ficou abrigado no hotel onde trabalha. "As janelas estavam explodindo para fora, outras para dentro, e vinha muita areia. Porque o nosso hotel é na areia, então junta com o vento, de 320 km/h a 350 km/h."

G1



Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.