João Pessoa, 21 de Outubro de 2017

10 de Junho de 2017

Família de Gonzagão vai processar funkeiro por versão de Asa Branca

Família de Gonzagão vai processar funkeiro por versão de Asa Branca

 A família de Luiz Gonzaga se prepara para acionar a Justiça contra MC Yuri por conta da música Festa junina da putaria, uma versão sexualizada do clássico Asa branca. Na faixa, o funkeiro utiliza a melodia da canção de Gonzaga em um remix com elementos do funk. "Tu vai sentar, tu vai quicar por cima do meu peru / MC Yuri, manda pra tu / Vem novinha, senta, quica, trava, arrasta com a x*** no meu peru", diz a letra da música em trecho. Após a repercussão negativa, o lyric video foi retirado do canal Detona Funk no YouTube, mas permanece disponível em outras contas.


"Deve haver respeito com a obra de Asa branca, afinal, é um hino nacional", diz Rosinha Gonzaga, filha de Luiz, ao Viver. A Editora Moleque, responsável por administrar os direitos autorais e uso de imagem do músico pernambucano, está estudando junto a advogados a maneira como pretende mover a justiça para punir o funkeiro. "Isso é um absurdo com uma música tão respeitável, a própria Daniela Mercury já decretou que era o segundo hino nacional. Não sei se ele é jovem ou adulto, a questão é que isso foi uma falta de respeito com a família e com Gonzaga", concorda Rosa Miranda, gerente da empresa.


MC Yuri é natural de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, e tem 19 anos. De acordo com seu empresário, contatado através do número telefônico divulgado no vídeo da música e identificado apenas como Ademir, a intenção de Festa junina da putaria nunca foi ofender o público pernambucano. "A música não foi feita com o intuito de ofender o estado de Pernambuco, foi criada para ser uma forma irreverente de fazer uma música e a liberdade de expressão está aí. A gente não achava que ia dar esse problema, tanto que as únicas críticas vieram dos pernambucanos, porque o resto do público do MC Yuri gostou", defendeu o empresário.


O representante do artista revela que um advogado está de prontidão para cuidar do caso e justifica o uso de palavrões na música: "Ele é um cantor de funk, é o gênero dele. O funkeiro não vai fazer uma música gospel, o funk tem essas sensualidades mesmo". Pouco menos de 24h depois de ter sido disponibilizado no canal Detona Funk, no YouTube, o lyric video contava com mais de 30 mil visualizações. Após ter sido retirado do ar, foi lançado em outros canais e voltou a receber críticas: "Como um estrupício desse destrói, de uma maneira depravada, um clássico da música Brasileira que retrata o sofrimento do povo nordestino? ESTOU DE LUTO SÓ DE OUVIR!", escreveu uma internauta.





diariodepernambuco



Enviar Comentário

O portal PB Agora esclarece aos internautas que o espaço democrático reservado aos comentários é uma extensão das redes sociais e, portanto, não sendo de responsabilidade deste veículo de comunicação. É válido salientar que qualquer exagero, paixão política e infrações à legislação são de responsabilidade de cada usuário, que possui sua própria conta na rede social para se manifestar, não tendo o PB Agora gerenciamento para aprovar, editar ou excluir qualquer comentário. Use o espaço com responsabilidade.